O que andam a jogar?

1128129130131132134»

Comments

  • Diz lá que afinal que agora percebes por que é que eu não conseguia voltar ao FF15 : p
  • Claramente o P5 é o melhor jogo, sim (e o WoFF também :'D). Mas vejo-me a fazer um novo playthrough no FF15 quando um dia decidirem que querem terminar o jogo.
  • edited April 21
    Finalmente fiz o hellblade, depois de ter o jogo em lista de espera algum tempo. Very good storytelling e visuals top notch, como habitual da ninja theory. O gameplay é bastante agradável também, uma espécie de mistura entre walking simulator e brawler, com uns puzzles de perspectiva interessantes (embora algo repetitivos aki e ali). O jogo é curtinho, 6-8 horas e diria que uma pessoa acaba o jogo na boa (eu devo ter demorado ligeiramente mais, mas ando sempre a passo de caracol e a explorar tudo). História bem fixe, character bem conseguida e plot k explora Norse mythology de uma maneira original.

    Agora, main course has arrived. Comecei hoje GOW4, depois de matar os deuses greco-romanos todos, bora passar p/ os do norte! Lezgo old Kratos, bora matar coisas de forma violenta.

    1as impressões do jogo:

    - best looking game ever. Without a doubt. É quase assustadora a qualidade gráfica disto.
    - gameplay muito diferente, but still feels like GOW. Pensei k fosse ser muito tipo o hellblade, sluggish e pesado com a over the shoulder view e sem jump button, mas Nop, o Kratos continua a mexer-se bastante bem.
    - estava com medo k fossem fazer tone down ao combat system e dificuldade, k parecia estar mais virado p/ a exploração e isso do k combate. Comecei o jogo logo em "give me God of war" setting, e 2 horas into it, depois de começar por morrer 5-10 vezes no tutorial e continuar a ter de refazer pelo menos uma ou duas vezes cada combat sequence e/ou boss encounter, e quando cheguei a um sítio em que estava já a morrer pela décima vez consecutiva, recomecei em hard. Agora parece piece of cake e estou no dilema se vou ter ou não paciência p/ insistir na dificuldade fucked up, ou se prefiro continuar em hard e esperar que mais p/ a frente se torne mais challenging mas sem ser um fucking murder xD gonna sleep on it.


  • Fiz o Layers of Fear.
    Sinceramente não gostei. A história que estava a tentar contar era interessante, mas o gameplay é demasiado "abstracto" e passei demasiado tempo a tentar perceber o que se estava a passar para me conseguir importar com o que significavam as coisas.
    Definitivamente não cliquei com o jogo.

    Também estou no God of War.
    Estou a gostar mas dispensava a gamificação de várias coisas como levelar armas e acessórios ou ter collectathons de vários tipos. O combate em 3ª pessoa, apesar de ser divertido, não é tão orgânico como antes, tanto que obriga a jogar com os indicadores de perigo ligados senão está-se sempre a levar com ataques que vieram off-screen.
    Estou a gostar do tom do jogo e do Kratos e do filho, mas espero que o jogo desenvolva um bocado a plot e não seja só uma coming of age story do miúdo. Pressinto que vai ser daqueles jogos que ficas com a história da aventura deles e etc, mas não vai dar respostas nenhumas do que toda a gente quer saber (como ele foi ali parar, quem era a mulher, o que acham os deuses dali dele estar lá, etc). Espero que a parte final do jogo não desiluda mas tendo em conta o flow das primeiras horas de jogo vou com expectativas baixas.
  • edited April 21
    obake said:

    snip

    Com base no 1o boss não monstro do jogo, e num ou dois spoilers k já recebi só de ligar o YouTube ou o twitch diria k a história vai desenvolver bem e não ficar-se pela cena da relação Kratos-puto. Embora me pareça k o foco vai ser muito nisso, não acho k vá desiludir. Mas também acho k isto deve ser o início de mais uma trilogia, por isso it is what it is, acho k não vamos ter conclusões neste jogo ainda.

    Btw, desisti do give me God of war -_- talvez p/ 2o playthrough, mas para 1o é too hellish ^^'
  • God of War está incrível.
    Quanto mais jogo mais melhora o jogo em todos os aspectos. Que vício!
  • Yeah está a ser qualquer coisa, mesmo. A não ser que acabe a desiludir muito na metade que ainda me Falta, o jogo será já candidato a jogo do ano p/ mim.

    Até a porra dos collectibles todos k o jogo tem conseguem estar escondidos de uma forma interessante e inteligente e k me tem dado sempre vontade de explorar ao máximo. O combate tem vindo a evoluir steadily num sentido muito fixe, não se tornou repetitivo nem limitado como tinha medo. A história tá no ponto, mantendo sempre o interesse e não tendo momentos mortos nem muitos picos. Sim senhor, está a superar as minhas expectativas em tudo basicamente.
  • Terminei ontem a história do God of War, com cerca de 23 horas.
    O jogo tem poucos defeitos e nada de grave. É um jogo muito bom mesmo.
    Tenho vontade de fazer o side content, pelo que estou a ver tenho outras 20 horas na boa pela frente.
    Não hesitem em comprar/jogar isto.
  • Acabei hoje a história do GOW, e também já tinha o sidecontent quase todo feito, à excepção de uma ou outra coisa k vou agr arrumar.

    Jogo do ano, calling it now. Trabalho fantástico por parte da equipa, está qualquer coisa em todos os aspectos e mais alguns. Gameplay mantém-se awesome até ao fim, história sempre interessante e k consegue surpreender até ao fim também, mesmo mantendo-se bastante fiel às bases da mitologia (pelo menos do k eu conheço). Gráficos pronto, falam por si e já foram muito galardoados, por isso escuso de me alongar. Mas no resto o jogo está igualmente bom. Masterpiece in the works, agora resta esperar pelos próximos <3
  • @Skryba só para relembrar q o RDR2 e o LoU2 devem sair este ano por isso a ver isso do jogo do ano. N tenho jogo mas por agora do q vi e me disseram, realmente é candidato a isso.
  • Yap, eu lembro disso e tou a dizer mesmo a contar com isso x'D that's how good I feel the game is ;)
  • edited May 2
    Descobri um joguinho muito engraçado, chama se NiGHTS into dreams, super confuso ao início e parece uma viagem de LSDs mas estou a gostar.

    #goty
  • Eu acho que deves ter estabelecido um record sobre o quanto se pode jogar um jogo que se acaba numa hora!
  • Alguém daqui jogou Freedom Force? Voltei a instalar isto para passar até ao fim. Quando era miúdo adorava esta porra mas o segundo, Freedom Force vs the 3rd Reich, nunca tinha jogado. Deixo aqui o trailer.





  • Fiz o God of War.
    Não há muito a dizer para além do que já se sabe. O jogo é muito bom em todos os aspectos, especialmente em ser um bom God of War, que era das coisas que mais me preocupava tendo em conta as mudanças.

    As únicas coisas que não gostei tanto é a limitação do combate inerente à câmara em 3ª pessoa (levar com ataques fora de câmara é má onda, mas pelo menos meteram audio cues do Atreus e do Mimir a avisar e tb tem os indicadores visuais) e ter poucas BOSS fights mesmo épicas. A secção final também é um pouco não-incrível mas já era esperado tendo em conta que iriam sempre fazer setup para jogos futuros.

    De resto o jogo está incrivel, demorei 23h a acabar a história, mais outras 23h para limpar o resto do side-content todo. Platinei o jogo, algo que já não fazia há anos, mas simplesmente apetecia-me jogar mais e uma vez que havia cenas para fazer aproveitei para fazer os achievs também. A side stuff era interessante de fazer, nunca me senti a fazer coisas para riscar uma checklist.

    Grande jogo e agora é ficar à espera do Red Dead 2 a ver se consegue superar este como o meu GOTY 2018.

    BOY
  • @Roz comprei isto ontem na ps4 que está baratuxo, super fun e challenging



    De resto ando a fazer maratonas de Megaman clássicos até sair as collections do X e Ridge Racer na PSP que ainda é o melhor da série.
  • Fizeste bem Tiago. Tenho o jogo para PC e gosto bastante. Ao inicio nem gostei muito porque estou habituado ao Wipeout feel, muito mais ágil e responsivo, mas depois de perceber o sistema comecei a entrar na onda. Tem circuitos muito bons também especialmente em DLC.
  • @Roz Acabei o Mother Russia Bleeds, bastante fixe, mas bastante curto. Os devs esforçaram-se imenso para fazer disto o lindo e sangrento bebé do Hotline Miami e do Streets of Rage. Tem um feel muito familiar a SOR, com umas mecânicas de luta mais desenvolvidas e a pensar em multiplayer (que, BTW, é apenas local... [se bem que já existem mods para isso]), e tem toda a estética e violência gráfica do HM, com forte ênfase no consumo descontrolado de drogas. A dificuldade é acima do normal, o que é muito bom, e não é pouco comum teres mais de meia dúzia de inimigos em simultâneo no ecrã. Muitas vezes tens mais de uma dúzia, e o jogo atira armas super poderosas na tua direção, e a carnificina que resulta é extremamente divertida.

    Em resumo, gostei bastante! É curto, mas vejo-me a jogar aquilo multiplas vezes só pela satisfação de arrancar a cabeça a um thug, usar-la para espancar outro thug, e finalmente arremessar-la contra um terceiro
  • Tip top. As reviews quando foi lançado não eram as melhores mas assim sendo estou interessado. Não há que enganar com um Streets of Rage x Hotline Miami. Brigades por te teres lembrado.


  • Fiz o Machinarium.
    É um point and click de 2009 (!), que para os anos que tem é bem porreiro.
    Tem puzzles interessantes e conta a história de uma maneira diferente.
    Não é nada de extraordinário mas faz-se bem e é uma boa visão para uma altura que os indies ainda estavam em crescimento.
  • falei sobre este jogo no meu curso de animação 2D e 3D. a apresentação é mto boa.


  • Joguei o Detroit: Become Human.
    Este jogo tem é muito ambivalente. Por um lado tem um cenário super interessante, tem cenas fixes e bem construidas, e a temática geral do jogo é interessante (inteligencia artificial conta como vida? isso e direitos civis).
    Por outro lado somos bombardeados com gameplay que já era datado quando saiu o Heavy Rain, sequencias de jogo que não dá para entender quem as achou boa ideia num videojogo, interface muito lenta, escolhas (que são importantes) muito obscuras por ter que se escolher com base numa palavra (que não sabemos o que vai dizer relativo a isso).
    O sistema de flowchart é muito bonito mas depois não metem no jogo uma opção de passar à frente diálogo ou sequências.
    Toda a historia da Kara é filler que teve apenas payoff nos ultimos 5 minutos de jogo e nem foi nada de especial.
    A história do Connor e do Markus ficam comprometidas pq nós somos humanos e estamos a tomar as decisões por um robô. Acho que o jogo era mais interessante se fossemos humanos a reagir às decisoes deles.
    Gostei da prestação do Clancy Brown, foi a personagem a que mais me apeguei. De resto o jogo serviu para eu saber que a Minka Kelly existe por isso nem tudo se perdeu.

    Enfim, não acho um grande jogo, aliás, não entendo pq a empresa não se dedica a fazer filmes, é claramente isso que querem fazer, e não são muito bons a fazer a parte de jogar um videojogo.
  • edited June 4
    Ando a jogar Ni no Kuni II. Passa-se no mundo do primeiro jogo, mas fora isso é preciso escavar um bocado para descobrir outras ligações e referências. Para além disso, as mudanças nos sistemas são tantas que só visualmente é que se assemelha ao primeiro.
    Dito isto... a par do FF Dissidia NT, este Ni No Kuni II é um dos jogos que mais me desapontaram este ano. Isto porque tinha imenso potencial e, infelizmente, é demasiado underwhelming (o Dissidia é só porque é mau em quase tudo o que tenciona fazer). Estou nas 12h , mas não o vejo a melhorar. Umas notas:



    - Muito bonito, tal como o primeiro jogo. Acho que é isto que o leva tão longe. Só assim consigo perceber como é que teve reviews tão altas, porque no resto é demasiado average.

    - Este jogo troca todo o sistema de pokém... familiars do primeiro jogo por um mashy hack 'n slash que mais encaixa num Dynasty Warriors. Nem sequer é um híbrido como o Rogue Galaxy (também da Level-5). É mesmo brainless mashing. xD Mesmo com inúmeras opções, skills, dodge, block, higgledies e whatnot, o jogo é tão fácil, que mashar quadrado/triângulo é mais que suficiente para a maior parte das lutas.
    Como disse antes, vou a 10h de jogo e já estou um bocado farto do comabte. Não é bom sinal. Por exemplo, por mais messy que o combate do FF15 fosse, nunca me deu esta impressão. Não tão cedo, pelo menos.

    - Bland overworld, especialmente quando comparado ao do 1º jogo. Além disso, porque é que as personagens se tornam chibi no overworld? Contrasta demasiado com o resto do estilo do jogo. Não vou falar no kingdom building e nas skirmishes (que têm o mesmo aspecto chibi), mas também me parecem features desnecessárias.

    - Tirando os bosses, pouca variedade no design dos inimigos. Já atravessei um continente quase todo e continuo a lutar com o staple mouse/goo/skeleton/wyvern monster que encontrei no início do jogo, apenas com níveis maiores.

    - A OST é "boa", mas estou a notar que a maioria das tracks são versões alteradas da main theme. Talvez para tentar apelar à nostalgia? Não sei, por alguma razão, não está a resultar muito bem. Deixa um bocado aquele feeling de que não tem a sua própria identidade.

    - O voice acting só aparece raramente e em cenas "ao acaso". A maioria das cutscenes (até mesmo as de maior story exposition) são texto e mais texto, acompanhadas de umas exclamações aqui e ali. É fácil reparar onde estão em falta. Aliás, até já houve uma ou duas em que estava a passar texto e, DE REPENTE, passaram a ter voz...
    Enfim, isto é de longe a maior falha na apresentação. Algo correu mal ou ficaram sem budget a meio e não deu para fazer mais. É pena, porque o pouco VA que houve até agora é bastante bom e as cutscenes mereciam mais.
    Ah, já agora, todo o banter entre os characters também não é voiced. Aparece de vez em quando num pop-up com small font e desaparece em menos de 3 segundos. Ugh.

    - A história simplesmente não tem impacto e os characters não mostram grande preocupação com os seus problemas. Aliás, quase todos, excepto o Evan, têm pouco development e motivação: "Siga, agora junto-me à tua party porque sim!"



    Tenho bastante pena que o jogo tenha saído assim, porque para mim, o 1º Ni no Kuni é provavelmente o RPG que mais gostei na PS3. Nota-se claramente que houve muita coisa que ficou por fazer nesta sequela, mesmo com os vários delays que teve. Não é propriamente um mau jogo, mas também não é nada por aí além. Fica mesmo muito aquém do 1º.


  • Joguei o Wolfenstein: The New Order.
    Bem fixe, o gameplay é divertido e a história, cenário e as personagens são interessantes.
    Destaque para a mecânica de auto-cover/peek (num jogo fps) que está muito bem implementada.
  • edited June 14
    Joguei o Wolfenstein: The New Order.
    What have I done...



  • Joguei o Wolfenstein: The Old Blood.
    Melhoraram praticamente tudo em relação ao New Order, é um jogo bem mais interessante, quer a nivel da estrutura das missões, da dificuldade, secções de stealth bem mais dificeis, armas mais interessantes, etc. Vale mesmo a pena jogar se gostarem do New Order.
Sign In or Register to comment.