O que andam a jogar?

1128129130131133

Comments



  • Fiz o Hellblade: Senua's Sacrifice.
    O jogo é bastante simples, compreende-se devido ao processo de desenvolvimento que seguiu.
    Tem exploração, puzzles e combate, e são todos bastante básicos. Apesar disso joga-se bem, nunca foi aborrecido.
    Mas conseguiram o que queriam. É um jogo com alguns valores de produção quase AAA, mas claramente com aquela identidade indie.
    O destaque do jogo é dar uma boa ideia do que é viver com aquele tipo de problemas que a Senua tem. Estava a jogar muito stressado, entre as vozes e o que elas diziam, e o saber que podia falhar. Estava a sentir os mesmo sintomas que ela, por isso acho que estão de parabéns.
    Recomendo que o joguem.
  • Ando á uns dias no Burnout 3, still so fucking good, ainda tenho la o meu save de 100 anos, ainda me lembro de ter comprado isto no lançamento


  • Fiz o "The Turing Test".
    É um jogo estilo Portal, mas sem os portais e com um tom mais sério.
    O puzzle-solving é entretido, nunca complica demasiado mas dá luta nalguns niveis.
    Além disso a storyline é interessante e coloca-nos numa posição complicada ao tomar a nossa decisão de como queremos que acabe a história.
    Vale a pena jogar.
  • Alguém daqui joga Pyre?

    Ainda só fiz uns poucos matches mas estou a adorar o jogo. História e characters interessantes, visual novel style, RPG elements, . Tenho de admitir o meu bias bomo fanboy de Supergiant Games e hardcore NBA fan, mas acho que está mesmo muito bom.

    Jogar no Versus foi estupidamente divertido, mesmo entre dois n00bs que estavam a fazer os primeiros matches.
  • @Twista foi o jogo que mais gostei de 2017.
    Ouvir a música dos créditos é feels garantidos mesmo meses depois de o ter jogado.
  • Finalmente comprei-o na promo e está mesmo fixe. Fiquei surpreendido com a existência do versus. É pena não ter online, mas com shareplay deve dar para safar uns matches.



  • Fiz The Fidelio Incident.
    Um walking simulator com ligeiras mecânicas de sobrevivência e puzzles simples.
    Faz-se em 2 horitas, a história tem a ver com os Troubles na Irlanda do Norte.
    Não é nada de extraordinário mas faz-se bem.
  • 30+ horas into evil within 2 e a adorar cada minuto. Que step up comparado ao 1o (não que não tenha gostado do 1o, mas tinha os seus problemas, e eram vários), mesmo mto bom. Se se mantiver assim até ao fim meto-o quase ao nível do re7, k foi das melhores surpresas dos últimos anos p/ mim.
  • Titanfall 2 sinceramente deixou me de boca aberta com o poder gráfico e a fluidez com que tanta berdoada com pilots e titans corre impecavelmente bem. Thumbs up :)
  • @Skryba ainda vou no primeiro o segundo ainda esta selado tem sido um sufoco espetacular de se jogar e uma pilha de nervos mas awesone :D
  • Yeah, Tb gostei mto do primeiro mesmo, mas a história é uma mess xD

    O segundo melhora em tudo básicamente, aborda o story telling muito melhor e expande o conceito de open world survival horror para tornar o jogo something else mesmo. Está fabuloso. Ainda não acabei, mas at this point não acredito que possa acontecer algo que me faça gostar menos do jogo.
  • edited March 4
    Yakuza 5 feito, 63h

    Depois de 4 Yakuzas feitos chego a este capitulo like, esta série não deve ter muito mais para me surpreender ou então, oh esta se mesmo a ver que este vai ser o mauzao chefe mas...NOPE o jogo esta sempre a gozar com a nossa cara e os plot twists constantes, que é por isso que amo Yakuza. A parte do Saejima é que foi um bocado mais chata... Mas como gostava que mais gente jogasse isto.
    Either way trilogia da PS3 feita, fica a faltar o spin off Dead Souls que ainda nem comprei.

    Edit: Deixo por ordem os que gostei mais ate agora então - 2, 5, 4, 1, 3

    Next... aquela merdonça que se chama Dynasty Warriors 9, vou sofrer.
  • Portanto, ninguém gosta do 3 na verdade lol. Anyway, ps3 back at my place. A ver se pego no yakuza5 e acabo de vez
  • Tenho andado agarrado ao Persona 5 graças ao garuda. Que cena tão bacana, não me divertia com um single-player desta forma há anos. 43 horas passadas, acho que faltam mais umas na casa dos três dígitos. Quando eventualmente passar o jogo faço um post todo pipi a la twinbaldes, porque tenho mesmo muita coisa para dizer sobre o P5.
  • JayPay said:

    Tenho andado agarrado ao Persona 5 graças ao garuda. Que cena tão bacana, não me divertia com um single-player desta forma há anos. 43 horas passadas, acho que faltam mais umas na casa dos três dígitos. Quando eventualmente passar o jogo faço um post todo pipi a la twinbaldes, porque tenho mesmo muita coisa para dizer sobre o P5.

    Relativamente ao P5, sem entrar em spoilers: é daqueles jogos que vale a pena fazer duas playthroughs. Aconselho-te a fazer max out a todos os stats que conseguires na primeira porque mais para a frente no jogo vais ter algumas social links que obrigam a estar em rank 4-5 em Kindess, Charm e Guts. Kindness e Charm são particularmente difíceis de subir em "tempo útil".

    Also, não tenhas "problemas" em farmar dinheiro, porque se quiseres fazer o compendium completo vais ter uma dor de cabeça. O top 10% de personas obrigam a gastar verdadeiras fortunas só para fazer re-summon de personas usadas em fusões anteriores.

    Último pormenor: só em New Game Plus é que consegues jogar contra o verdadeiro único "Endgame" Boss - que é forte, mas um pouco aquém da brutalidade de Personas anteriores.

  • Para quem gosta de jogos tacticos, de estratégia e puzzle. E gostou do FTL


    Aconselho vivamente
  • @danteMdie este é o primeiro Persona (ou mesmo SMT em geral) que estou a jogar. Isso de ter slinks bloqueados por stats já sabia, mas estou só a fazer uma casual playthrough. Mas digo já, estou legitimamente agarrado ao jogo, está mesmo a pedir playthroughs subsequentes, e só vou no 4o palace atm.
  • JayPay said:

    @danteMdie este é o primeiro Persona (ou mesmo SMT em geral) que estou a jogar. Isso de ter slinks bloqueados por stats já sabia, mas estou só a fazer uma casual playthrough. Mas digo já, estou legitimamente agarrado ao jogo, está mesmo a pedir playthroughs subsequentes, e só vou no 4o palace atm.

    Eu também comecei o P5 casualmente e ia jogando nos intervalos do Destiny, até que passei a jogar Destiny nos intervalos do P5 lol

    Lembrei-me de outro pormenor: é importante que faças os Mementos à medida que os vais desbloqueando. Acho que se não os fizeres a tempo não consegues o true ending.

  • Não tens que fazer os momentos para ter o true ending. A única coisa que afecta o ending são duas escolhas de diálogos lá para o fim, e mesmo que não escolhas os correctos, dá sempre para fazer reload depois de veres os outros endings e continuares a partir dessas escolhas portanto, no worries ;)
  • Bom saber. Não fazia ideia que era possível descer "aquela parte final" sem completar os mementos, mas se tu o dizes....
  • edited March 6
    Eventualmente tens que os descer na mesma para aí chegar, mas fazeres agora ou depois só nessa altura, não vai afectar o ending. Apenas não fazes as quests/bosses que afectam os social links, se elas desaparecerem até lá.


  • Fiz o Rime.
    Faz-se bem o jogo mas não achei que tivesse um grande impacto emocional e o que fica é os gráficos bonitos e a música muito boa. Mas é um bocado meh o videojogo.


  • Fiz o Last Day of june.
    É um indie muito interessante, visualmente muito apelativo e com boa música também.
    O jogo baseia-se em alterar eventos no passado para tentar mudar o presente.
    O gameplay é algo clunky mas não é relevante. A única coisa chata é não dar para fazer skip de algumas sequências.
    A história é interessante.
    Vale a pena jogar
  • É baseado nesta música/clip. Meu prog artist favorito.

  • Ando perdido em 2 mundos mágicos, Klonoa e Ni No Kuni 2, odiei o primeiro Kuni mas este está simplesmente lindo a adorar cada momento. O bro dante safou me um Klonoa 2 a um preço delicioso, daqueles jogos que ja estou para comprar desde miúdo, dão me tanto aquela vibe de NiGHTS, mundo, personagens, linguagem distorcida, música, tudo.

    Ah e acabei o Tales of Graces F a semana passada, Tales bonito, não fiz o extra que puseram na versão PS3 por ja estar mesmo sem paciência para o jogo e acho que acabou como deveria ter acabado.


  • Fiz o Metro: Last Light.
    O mundo e o ambiente do jogo estão muito bem construidos, a imersão é muito boa.
    Ao contrário da moda actual, tem níveis pequenos e lineares que permitem construir secções interessantes, o que junto ao ambiente e tom do jogo resulta em momentos mesmo fixes de te esqueceres que estás a jogar um jogo.
    Peca um pouco por falta de originalidade, não faz assim nada de inovador (muitas inovações transitaram do primeiro) e pouca variedade nos inimigos.
    Mas é um jogo bem fixe, fiquei com vontade de pegar ao Exodus este ano.


  • Fiz o Gemini Rue.
    É um point-and-click tradicional.
    A história é muito fixe e o mundo é interessante, parece um spin-off de Blade Runner ou algo do género.
    Gostei de jogar.
  • edited April 17
    Ya, também gostei bastante - uma fusão entre 2 géneros clássicos que hoje em dia são pouquíssimo populares. A Wadjet Eye tem feito um excelente trabalho em manter o point&click tradicional vivo, e enquanto os jogos deles não se comparam aos colossos dos anos 90, são sempre muito bons em termos de ambiente e feel (o mais importante, IMO).

    Isto lembra-me que ainda tenho para jogar (e já agora menciono-o também) o Technobabylon :+1:
  • Finalmente acabei o Persona 5. 120h, nunca aborrecido em nenhum momento. A história é simplesmente um page turner, e acho que a melhor maneira de a aproveitar ao máximo é não ler nada sobre o jogo previamente. Gameplay também é muito intuitiva, a OST é praticamente perfeita e o jogo tem um aspecto visual (e sense of style) muito próprio. Facilmente um dos melhores JRPGs que já joguei.

    E agora? Errr... NG+ :D Sim, porque não dá para ver tudo num só playthrough.
Sign In or Register to comment.